quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Cia. Garatuja apresenta 'A Saga de Yo Bá'

A Cia. Garatuja de Artes Cênicas apresenta em Xapuri, às 20h, no auditório da Escola Anthero Soares Bezerra 'A Saga de Yo Bá', vencedor do Prêmio Klauss Viana de Dança 2009.
Repleto de magia, luz e ao som da narração de uma índia, o espetáculo conta um pouco de um mito dos índios Kaxainauás do Rio Jordão.
A Cia. tem um trajeto artístico de 20 anos e já apresentou em diversos estados brasileiros, na Bolívia e ganhou prêmios importantes em âmbito nacional.
O espetáculo é um misto de dança, teatro e muito talento, que agrada aos olhos, enaltece a história acriana com suas raízes indígenas e possibilita ao espectador dialogar com a arte visual que se caracteriza na apresentação.

Sinopse do espetáculo - de acordo com o folder da peça

Yo Bá Nawa Tarani, brinca a beira do lago, sobe no jenipapeiro eis que vê uma cena extraordinária, seus desejos mais obscuros e carnais afloram e é encantado. Nesse novo mundo Yo passa a conviver com as cobras gigantes lá ele aprende a bebe cipó, mas Yo sente falta de sua família e quer voltar a sua aldeia.

Baseado na mitologia dos índios Kaxinauas do rio Jordão a Cia. Garatuja em seis anos de pesquisa construiu uma dramaturgia da dança teatro para esse espetáculo. Os corpos que falam através de movimentos criados e improvisados dentro do laboratório de dança, nesse trabalho os atores bailarinos tiveram a chance de criar e experimentar ações físicas e ao mesmo tempo a fala. A partir dessa consciência, o executor inicia o processo de criação da dança, momento de subjetividade e de interpretação individualizada e ao mesmo tempo coletiva, baseada em direcionamentos precisos. Essa consciência oferece maior liberdade ao criador e a direção torna-se mero facilitador do movimento, ao invés de dar as regras do jogo.

A entrada é franca, não deixe de conferir!

Foto:
*Divulgação

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

É Primavera no Museu do Xapury


O Museu do Xapury tem se tornado um importante instrumento de ligação entre riquezas históricas, arte e educação, disponibilizado através de seu acervo e de suas vastas programações – fato que se reflete em eventos como a Primavera de Museus.

Dessa vez, dando continuidade a seu trabalho de pesquisa e valorização da cultura dos povos da floresta, apostou na contação de histórias do Grupo Fuxico de Contadores de Xapuri, através de seu projeto chamado ‘Contos & Recontos', com “causos” dos seringais, de vivência dos habitantes da floresta, seus mitos, lutas e resistência ao desmatamento que se alastra.

É através da arte do Teatro, também presente na apresentação do Grupo Arte na Ruína, que o Museu do Xapury aposta na prevalência do espetáculo caboclo que prima pelo resgate das tradições seringueiras acrianas e xapurienses, dos guerreiros da Princesinha do Acre, se tornando não apenas um patrimônio histórico mas um espaço aberto a todas as pessoas que são responsáveis por escrever a nossa história – hoje e sempre.

A reação do público, que ri e chora, é demonstrada pelo turbilhão de palmas, de pé, que paga todo o trabalho que envolve desde sempre a importante instituição.


Fotos:

*1 - Grupo Fuxico - de Clenes Alves;

*2 - Arte na Ruína apresentando 'Silvério e Marieta em: Namoro Virtual" - de Cleilson Alves.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Museu do Xapury na 4ª Primavera de Museus

Com o intuito de fortalecer os movimentos em rede, no âmbito dos museus, o Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM apresenta a 4ª Edição da Primavera dos Museus, que acontecerá no período de 20 a 26 de setembro, e que traz como tema Museus e Redes Sociais. Este evento mobilizador, com amplo destaque na área museológica, tem reunido, desde a sua primeira edição em 2.007, mais de 2.200 eventos espalhados pelas diversas regiões, cidades e municípios brasileiros.
Com o objetivo de promover a interação e o diálogo com as redes sociais e seus usuários, o Museu do Xapury oferece mais uma oportunidade ao público da instituição para participarem de sua vasta programação, realizada em dois dias.
O evento agrega importantes eventos culturais com Grupos de Teatro e Contação de histórias que muito tem se destacado no cenário nacional nos últimos tempos, levando nossa cultura e a luta de nosso povo aos mais diferentes lugares, se utilizando de elementos tradicionais - como a arte - e modernos - como os blogs de que participam. Nada mais natural que sua arte seja exibida em um evento importante no cenário museológico dentro de uma instituição que tem se mostrado um relevante centro de história, arte e cultura no município de Xapuri.
Confira a programação:

De 20 a 26/09
Visita Guiada
Acervo do Museu do Xapury - da Bèlle Èpoque do período áureo da Borracha, Revolução Acreana, vida e morte de Chico Mendes, até a Xapuri dos dias de hoje.
Com as Guias Marianna e Myrla.
Horário: das 08h às 18h

Dia 23/09
Espetáculo Teatral: Silvério e Marieta em: Namoro Virtual
Grupo Arte na Ruína
Direção: Cleilson Alves
Horário: às 09:30h e às 15:30h

Dia 24/09
Contos & Recontos de Xapuri - Prêmio Funarte de Circulação Literária
Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri
Direção: Clenes Alves
Horário: às 09:30h e às 15:30h

Não deixe de conferir!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Arte Na Ruína / Jovens de Xapuri – Arte en la Ruina / Jovenes de el Xapuri

Arte na ruína deu mais um grande passo em sua história: Com o novo coordenador Cleilson Alves, conseguiu com o Projeto Arte na Ruína – Jovens de Xapuri, passar para semifinal do Prêmio Cultura Viva – 3ª Edição.
Foram 1.974 inscrições, de 750 de cidades brasileiras, sendo selecionados apenas 120 para semifinal, sendo o Arte na Ruína o único representante na categoria Grupo Informal do Estado do Acre. A próxima fase vão ficar 40 finalistas.
O Arte na Ruína é composto por 32 jovens, na faixa etária de 17 a 29 anos, unindo diversas manifestações artísticas, como teatro, dança, circo, música e artes plásticas.
O grupo se apresenta em uma delegacia velha e abandonada há menos de 100 m da casa de Chico Mendes e tem como teto as estrelas do céu. E emociona com a história de luta e repressão contada nas paredes do lugar.
O cenário é protegido pela fortaleza de Chico Mendes que sabiamente deixara seus portões abertos para juventude ir à busca da marcha de um mundo diferente.
O projeto também foi selecionado pelo Microprojetos de ação na Amazônia legal, sendo mais uma vitória para os guerreiros do Arte na Ruína.
De onde saímos e onde estamos foi uma grande vitória. E queremos muito mais pela cultura do Acre e da cidade de Xapuri (Terra de Chico Mendes).
Esperamos e estamos confiantes que nós iremos ser escolhidos para a grande final.
Por Cleilson Alves
Jovem Preservador
_________________________________________
Arte en la ruina dio otro gran paso en su historia: Con el nuevo coordinador, Cleilson Alves, le sucedió en el Proyecto de Arte en la ruina – Young Xapuri, pase a la semifinal del Premio Cultura Viva – 3 ª edición.
Fueron 1974 entradas en 750 ciudades brasileñas, sólo 120 fueron seleccionados para la semifinal, y el arte en la ruina es el único representante en la categoría de Grupo informal del Acre. La siguiente etapa será de 40 finalistas.
El arte en ruinas está integrado por 32 jóvenes de entre 17-29 años, uniendo las diferentes expresiones artísticas como teatro, danza, circo, música y artes visuales.
El grupo se presenta en una comisaría de policía de viejo y abandonado a menos de 100 metros de la casa de Chico Mendes y su techo, las estrellas del cielo. Y tocado por la historia contada de la lucha y la represión en las paredes del lugar.
El paisaje está protegido por la fortaleza de Chico Mendes, quien sabiamente dejó las puertas abiertas para que los jóvenes van a la búsqueda de la marcha de un mundo diferente.
El proyecto también fue seleccionado por la acción de micro-proyectos en la Amazonía, con una victoria más para los guerreros de Arte en la ruina.
De dónde partimos y llegamos ha, fue una gran victoria. Y queremos más para la cultura de Acre y la ciudad de Xapuri (tierra de Chico Mendes).
Esperamos y estamos seguros de que vamos a ser elegido para la gran final.
Por Cleilson Alves
Jovene Preservador

Publicado orginalmente no site Patrimônio Jovem.
Foto: Divulgação Filme "Arte na Ruína".

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Xapuri em imagem

É final da tarde no Mutirão e as múltiplas cores no céu se confundem com a beleza da vida, na pequena Xapuri.

Foto de Cildo Aquino.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal

Dois projetos de Xapuri são selecionadosPublicado hoje, dia 09/09, resultado do edital Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal, financiado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte), através do Ministério da Cultura.
Ao todo foram 2.706 propostas para o edital, superando as espectativas, sendo aprovados 37 projetos do Acre - dentre esses 02 são de Xapuri (01 de artes integradas, cujo proponente é Cleilson Alves da Silva, abrangendo o Grupo Arte na Ruína; e 01 de teatro/literatura/contação de histórias, da proponente Clemilsa Alves da Silva, contadora do Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri).
Segundo a Funarte, a meta inicial era atender cerca de 770 iniciativas por meio de financiamento não-reembolsável. Porém, muitos projetos não atingiram o teto de 35 salários mínimos, valor máximo estabelecido no edital. Assim, foi possível ampliar o número de beneficiados, selecionando projetos de todos os nove estados da região amazônica: 37 do Acre, 15 do Amapá, 91 do Amazonas, 198 do Maranhão, 166 do Mato Grosso, 175 do Pará, 58 de Rondônia, 29 de Roraima e 159 do Tocantins. Os 37 projetos do Acre vão receber cerca de R$ 500 mil.

Mais cultura - Informações do Ministério da Cultura

Ação do Programa Mais Cultura, com o apoio dos governos estaduais da região amazônica, o edital Microprojetos para Amazônia Legal visa a fortalecer e apoiar a diversidade cultural da região. As propostas contempladas têm como beneficiários ou proponentes jovens entre 17 e 29 anos que residem na área. O resultado do Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal foi anunciado pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, na quarta-feira, 1º de setembro, em Rio Branco (AC), em evento para assinatura de acordo entre o Ministério da Cultura e a Associação de Cultura e Meio Ambiente (ACMA). A parceria criou o Centro de Cultura da Floresta, que irá beneficiar os povoados da etnia Ashaninka na região e os da reserva da bacia do Alto Juruá.

Veja a relação completa dos aprovados clicando aqui.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Encontro da Diversidade Cultural

Somos Cultura de Xapuri
Por Cleilson Alves

Hoje é meu aniversário e estamos voltando para o Acre após virmos para o Rio de Janeiro, no último dia 04, para representar as diferentes manifestações culturais do povo amazônico, mais propriamente de Xapuri.
Do Acre fomos três representantes: Eu, representando o teatro (Arte na Ruína e Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri), REJUPAM (Rede Juvenil do Patrimônio Mundial) e Museu do Xapury; Awrá Omin, Yalorisà de Xapuri (representante de terreiros/ Religião de matriz africana (Candomblé)) - ambos de Xapuri; e Ary (Representante da Cultura Afro do Acre) - importantes nomes nos segmentos a que pertencem.
A Secretaria da Identidade e da Diversidade (SID) do Ministério da Cultura, responsável pelo evento, propiciou várias rodas de debates, socializando culturas do Brasil e discutindo temas relevantes que muito contribuirão para as políticas sociais destinadas para o real povo que vive nesse país.
Também participamos de programações paralelas, como shows, espetáculos e passeios pela cidade maravilhosa (realmente, o Rio é e continua liiiiindo!).
Esse foi um verdadeiro presente de aniversário, onde aprendi muito, levei a minha contribuição, dentro do segmento a que pertenço, que levarei para toda a vida.
Lá reencontrei alguns amigos feitos no Fórum Juvenil do Patrimônio Mundial - gente boa pra caramba!
Também pude conhecer melhor as figuras já citadas (Awrá e Ary) e todos encontramos ponto em comum: o preconceito que passamos ao tentar expressar aquilo que marca nossas origens e que tão profundamente acreditamos.
E o que mais aprendi? são muitos brasis dentro desse grande Brasil. E nossas contribuições culturais, mesmo que pareçam mínimas para a gente, são de uma importância enorme pois caracterizam o país que temos e aqueles que queremos - e devemos lutar - para ter!
E em meu aniversário eu desejo tudo de bom para todos - especialmente para você que gastou alguns minutos de seu tempo lendo minhas frases mal escritas mas cheinhas de sentimento.

Fotos:
*1 - Cleilson e Awrá - Foto de Ary;
*2 - Representantes de Xapuri com um dos animadores do evento - De Ary.

domingo, 5 de setembro de 2010

Quintais Literários

Poética do Deslumbramento

Aproveitando um trabalho do Curso de Teatro da Universidade de Brasília (UnB) os atores e contadores de histórias do Grupo Fuxico e do Arte na Ruína, Clenes e Clemilsa Alves, apresentaram no espaço denominado “Quintais Literários”, idealizado pelo também ator e contador Cleilson Alves, aos fundos de sua casa – além de marcar a comemoração do Dia da Amazônia.

A atividade, Poética do Deslumbramento, visava que os acadêmicos apresentassem algo que fosse resultado de algo que lhes causasse deslumbramento, representando de modo intimamente Cênico.

Os artistas aproveitaram para convidar a vizinhança do Bairro Jiquiá/Pantanal, principalmente crianças e adolescentes, fazendo um sarau de poemas, poesias, esquetes que representam seu dia-a-dia, além da leitura de trechos do livro “Páginas da minha vida”, de autoria de Dallyanna Lima, falecida em 2006.

Os trechos lidos ao som da canção “Assim sem você”, na voz de Adriana Calcanhoto, fez com que se emocionassem, platéia e artistas, despertando as saudades da atriz, escritora e contadora de histórias.

Os trabalhos, aprovados pelo público que assistia, foi encaminhado à UnB para as devidas avaliações.


Fotos:

*1 - Esquete Nana Nenê - por Clenes Alves;

*2 - Leitura do Livro Páginas da Minha Vida - Por Clemilsa Alves.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Xapuri no Encontro da Diversidade Cultural no Rio de Janeiro

Os dois xapurienses, Cleilson Alves (representante da REJUPAM, Museu do Xapury, Grupo Arte na Ruína e Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri) e Awrá Omin, Yalorisà de Xapuri (representante de terreiros/ Religião de matriz africana (Candomblé)), foram convidados para participar do Encontro da Diversidade Cultural, no Rio de Janeiro. O encontro acontece de 04 a 06 de setembro de 2010 e servirá de base para os debates que propõem a convivência harmônica entre os diferentes segmentos e manifestações culturais e sociais brasileiras.

A representação xapuriense, acreana e amazônica é importante para levar os fazeres culturais presentes na nossa região, levado nossas principais problemáticas, discutindo políticas públicas de melhoria e propiciem a troca de informações entre segmentos semelhantes de todo o Brasil.

No Rio, nossos representantes participarão de diversas rodas de debate, apresentações culturais e passeios turísticos pela cidade maravilhosa, além de trocar experiências com pessoas dos quatro cantos do país e de outros do Mercosul.

Os xapurienses foram escolhidos devido sua representatividade nos setores que representam e acrescentarão ainda mais na Diversidade Cultural a qual se inserem.


Sobre o Encontro – Informações do Ministério da Cultura


A diversidade cultural tem sido celebrada ultimamente, mas sua simples exposição não gera, automaticamente, o respeito pelo outro, e pode até mesmo acirrar conflitos pré-existentes e criar outros, novos e mais complexos. A visibilidade da diversidade cultural só será uma ferramenta importante para a construção de uma sociedade mais solidária e harmônica, se for associada à educação, à solidariedade, ao diálogo, ao entendimento e ao respeito à diferença.

Por este motivo, o Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural, propõe o Encontro da Diversidade Cultural Brasileira para fazer com que segmentos socioculturais da nossa diversidade se encontrem, se conheçam e possam conviver: os grupos e mestres das culturas populares, indígenas, ciganos, representantes do movimento LGBT, idosos, pessoas com deficiência, representantes das comunidades tradicionais de terreiro, imigrantes, produtores da cultura da infância, jovens do movimento hip hop, pessoas com transtorno mental, mulheres e trabalhadores formais e informais do campo e da cidade.

Estarão presentes, também, representantes dos dez países do MERCOSUL Cultural. Será realizada, durante este Encontro, a primeira reunião sobre as políticas de cultura para a diversidade, e a articulação do bloco sulamericano na implementação da Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. Administrado pela Unesco, este instrumento já reúne 112 países do mundo e, embora não seja suficiente para mudar valores, atitudes e comportamentos no dia-a-dia das sociedades com relação às diferenças, tornou-se uma das bases para o fortalecimento do bloco sulamericano, ao afirmar a igual dignidade de todas as culturas e a importância da cooperação entre os países em benefício de sua diversidade cultural.

Todos os participantes do evento terão a oportunidade de vivenciar um encontro com o outro nas rodas de convivência, onde serão abordados temas transversais a todos os segmentos, como preconceito, cultura de paz, espiritualidade, economia da cultura, saúde, tradição, memória e transmissão dos saberes tradicionais, meios de comunicação, participação das mulheres na cultura e educação. Com este Encontro, a sociedade brasileira terá a oportunidade de vislumbrar, num só espaço, um recorte da nossa diversidade cultural. Os participantes vivenciarão um exercício de cidadania cultural e conscientização da diversidade, capaz de provocar reflexões para mudanças de valores, atitudes e comportamentos. Acreditamos contribuir, desta forma, para a construção de uma sociedade mais justa, harmoniosa e fraterna neste Brasil diverso.

Ilustração:
Divulgação Minc.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010