terça-feira, 27 de agosto de 2013

Chico Mendes é tema de enredo do carnaval 2014



Campeã do carnaval 2013, a escola de samba carioca Unidos de Vila Isabel divulgou nos últimos dias seu  enredo para 2014. 


A escola fará o entrelaçamento das histórias de dois grandes ícones da história brasileira: Câmara Cascudo e Chico Mendes. Tal enredo fará de forma lúdica um destaque à importância da preservação do “corpo” brasileiro e suas “riquezas naturais”, citando não apenas as florestas, mas a diversas manifestações culturais brasileiras.


Quem desenvolverá a cantoria é o famoso carnavalesco Cid Carvalho, fazendo uma homenagem aos muitos “Chicos” e “Câmaras” que nem sempre estão em evidência nesse Brasil.

Confira um trecho da sinopse do enredo:


“(...) É preciso proteger o "corpo" do "gigante", como o fez Chico Mendes!
Chico Mendes (1944-1988), nome que batiza o órgão responsável pela gestão das unidades de conservação brasileiras, foi filho de migrante cearense, começou no ofício de seringueiro da Amazônia ainda criança, acompanhando o pai em excursões pela mata. Assassinado no ano de 1988, em Xapuri, sua cidade natal, Chico Mendes nos deixou um legado de defesa da floresta e de proteção das populações nativas, bem como do meio em que vivem.”



segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Grupo Parlendas: De volta a Xapuri



Contemplados pela segunda vez com o Prêmio de Circulação Literária da Funarte/Biblioteca Nacional, o grupo de teatro de rua Parlendas, de São Paulo, fez uma rápida passagem por Xapuri, apresentando um espetáculo proveniente das andanças pela Região Norte, relatando um pouco das diferentes culturas desse enorme Brasil.

Em 2010, o Parlendas circulou o país, passando pelas terras da Princesinha do Acre, apresentando e entrevistando conhecidos nomes – como Tia Vicência, Nilson Mendes, Antônio Zaine –, colhendo pedaços da história oral dos povos da floresta, o que possibilitou a montagem de dois produtos: o espetáculo “Marruá” e o documentário “Histórias de Retalhos ou 80 dias ‘Parlembembando’ por aí…”, ambos apresentados no último final de semana na cidade.

Tais apresentações são resultado de um projeto aprovado pela Fundação Nacional de Arte (Funarte) em parceria com a Fundação Biblioteca Nacional, que inclui alguns municípios do Amazonas (São Gabriel, Manaus e Barcelos), além do Acre (Xapuri).

Espetáculo “Marruá”


Quais são as linhas que demarcam um território? Que traçados determinam uma nação? O que nos torna povo de algum lugar? A pobreza respeita fronteiras? E a resistência? Marruá é uma expressão utilizada pelos peões do centro-oeste do Brasil, para designar um touro que se desgarra do rebanho, fugindo para as matas e se tornando selvagem e bravo (alongado), pois passa da época de ser abatido. Como o bicho que rompe as cercas que lhe prendem, deixamos de ser mansos e nos afastamos do rebanho para enxergar de mais longe. O espetáculo foi criado a partir de narrativas de diferentes brasileiros, das cinco regiões do país, em territórios de resistência e luta como: quilombos, seringais, aldeias e assentamentos. Fragmentado em quatro blocos, apresenta o nascimento, desenvolvimento, morte e ressureição de “uma comunidade” em constante transformação.

Ficha técnica: Direção: Luciano Carvalho / treinamento de movimento e sonoridades populares: Tião Carvalho / arranjos e composições: Eric D`Avila / treinamento musical: Igor Giangrossi e Fábio Pinheiro / atores-criadores: Eric D`Avila, Elton Maioli, Fernando Mendonça, Pedro Bacellar, Maria Gabriela D’Ambrozio e Natália Siufi / atuadores: Asnésio Bosnic, Dara Freire, Danilo Villa, Elton Maioli, Marina Vecchione, Maria Gabriela D`Ambrozio, Mário Queiroz Viana, Natália Siufi.

Sobre o documentário

Durante 80 dias, o Grupo Teatral Parlendas esteve em viagem pelo interior do Brasil coletando histórias distintas de um tão distinto povo, colorido e festivo em seus ritos, mas aguerrido e combativo em suas lutas e crenças. As cidades apresentavam baixo índice de desenvolvimento econômico e social, locais muitos distantes entre si, cada qual com as particularidades de clima, vegetação e cultura. Enquanto as imagens traduzem essa diversidade, o emparelhamento de relatos busca os lugares comuns. O documentário: “Histórias de Retalhos ou 80 dias parlembembando por aí”, pretende desterritorializar as questões que são recorrentes a muitos territórios. Identificar a incidência de um fenômeno é um bom passo para entendê-lo, provocá-lo ou evitá-lo. Em sua forma, procura afastar-se da linguagem massiva e televisiva que pressupõe um amortecimento da reflexão crítica. Sua estética reflete as condições de sua produção e o ritmo intenso do trânsito vivido durante os dias de viagem. A utilização do documentário como veículo de ensino-aprendizagem procura focar a reflexão sobre aspectos culturais, históricos, literários e políticos de regiões periféricas do Brasil.

Ficha Técnica: concepção: Elton Maiolli, Natália Siufi, Pedro Bacellar, Eric D`Avila, Maria Gabriela D`Ambrozio e Jussara Vicente / edição e roteiro: Elton Maiolli / execução: All Video All

Fotos:
*1 - Clenes Guerreiro com Danilo Villa e Elton Maioli - por Raiza Virgínia;
*2 - Espetáculo Marruá - Divulgação Parlendas;
*3 - Cartaz do Documentário - Divulgação Parlendas.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Versão digital do livro “A história de Chiquinho” pode ser baixada

Parceria entre Instituto Chico Mendes e Governo do Estado, por meio da Comissão que celebra as atividades "25 Anos - Chico Mendes Vive Mais", foi responsável pelo lançamento digital do livro em quadrinhos que conta a história de vida e luta de Chico Mendes.

O lançamento foi realizado no gabinete do governador Tião Viana, com a presença do próprio governador, da primeira-dama Marlúcia Cândida, que é coordenadora da Comissão, e de seus filhos Catarina e Virgílio.

O professor Marcos Afonso, diretor da Biblioteca da Floresta - responsável pela divulgação do livro digital - conduziu a solenidade com a coordenadora executiva da comissão, Walnízia Cavalcante. O evento também contou com a participação de representantes da comissão, entre eles: a presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, Francis Mary, Ana Cristina, da assessoria do IFAC, Andréa Zílio, secretária Adjunta de Comunicação e de Turismo.

Um grupo de crianças da Casa de Leitura Chico Mendes, localizada no bairro Wanderley Dantas, em Rio Branco - projeto idealizado e incentivado pelo governador quando ainda senador - se apresentou cantando e recitando poesias, mostrando os frutos do projetos.

“O que queremos é que os ensinamentos e a luta do Chico ultrapassem as fronteiras e possam ser apreendidos por todos”, comenta a primeira-dama Marlúcia Cândida. No evento o governador realizou a liberação eletrônica do download gratuito do livro para mais de cinco mil bibliotecas públicas do Brasil.

O download permite que diversas bibliotecas de todo o mundo possam ter o material que conta em uma história em quadrinhos a vida de luta que Chico Mendes teve em vida na floresta amazônica do Acre, para que nunca se apague”, disse o professor Marcos Afonso.

O cartunista Ziraldo é o responsável pelos desenhos do livro e traz uma forma didática e pedagógica para as crianças, a edição do livro contou com pesquisa de Charlene Carvalho e  texto de Walquíria Raizer. “É importante disseminar a história de Chico para o mundo inteiro, por isso a importância deste livro em quadrinhos”, explica Elenira Mendes, presidente do Instituto Chico Mendes e filha do líder sindical.

Para baixar é só clicar na imagem.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Instituto Psia convoca para mobilização nacional de Um Poema em Cada Árvore

Interessados em fazer articulação local em sua cidade podem se inscrever até 24 de agosto.


Dia 21 de setembro de 2013 será realizado o Um poema em cada árvore (Mobilização Nacional), quando acontecerá em diversas cidades brasileiras uma edição simultânea do Um poema em cada árvore - iniciativa de incentivo à leitura que utiliza as árvores como suporte de leitura.

No dia em que se comemora o Dia da árvore, uma rede poetas, educadores, agentes culturais e sociais estarão mobilizados em levar a poesia aonde o povo está.
Em 2012 o Um poema cada árvore (Mobilização Nacional) aconteceu em 84 cidades brasileiras - quantidade que pretende ser superada nesta segunda edição.

O edital pode ser lido clicando aqui.