terça-feira, 25 de setembro de 2012

6ª Primavera dos Museus


O Museu do Xapury tem a honra de convidar a comunidade em geral para participar da 6ª Primavera dos Museus, a realizar-se, em Xapuri, nos dias 26 e 27 de setembro de 2012, com o tema “A Função Social dos Museus”. Essa programação nacional é a oportunidade para que o grande público perceba de que forma o Museu influencia diretamente e atua como elemento inspirador e objeto de expressão para a comunidade artística de todo o Brasil, mais especificamente a xapuriense.

MUSEU DO XAPURY
De 24 a 29/09/2012
Visita Guiada ao acervo do Museu do Xapury
Com os guias Cleilson Alves e Taiane Cristina Feitosa
Das 08h às 18h

Dia 26/09/2012 – Quarta-feira
EnContos & Encontros
Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri
Direção de Clenes Guerreiro e Álder Járede D'Ávila
Às 9h e às 15h

Exibição de filmes
O homem da cabeça de papelão – de Luís da Matta Almeida e Pedro Lino
Menina da Chuva – de Rosaria
Às 9:30h

Tembiara - de Jackson Abacatu
O céu no andar de baixo - de Leonardo Catapreta
Às 15h

27/09/2012 – Quinta-feira
Espetáculo Teatral
O seringueiro que não sabia assobiar
Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri & Cia. Arte na Ruína
Direção de Clenes Guerreiro
Às 09:30h e às 15:30h

ESPAÇOS DE MEMÓRIA CHICO MENDES
Casa de Chico Mendes, Memorial do Seringueiro e Centro de Memória Chico Mendes

De 24 a 29/09/2012
Visita Guiada
Com os guias Marianne Buriti, Paula Janini Menezes, Jorge Pereira Jr., Géssica Albuquerque e Elaine Queirós

Abismo

Na árvore

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Um poema em cada árvore - em Xapuri


Xapuri foi uma das 83 cidades que, no dia quente de 21 de setembro, dia da árvore, última sexta-feira, sediou a mobilização nacional do projeto Um poema em cada árvore.


O que é o Um poema em cada árvore

Um poema em cada árvore é uma iniciativa de incentivo à leitura realizada desde agosto de 2010 na cidade de Governador Valadares, Minas Gerais.

Idealizada pelo poeta Marcelo Rocha e realizada pelo Instituto Psia, a iniciativa caracteriza-se por utilizar as árvores como suporte para a leitura, pendurando mensalmente poemas de poetas desconhecidos do grande público nos oitis valadarenses.

Esta foi uma forma encontrada para construir novos espaços de fruição poética, ampliar o acesso da população à poesia e colocar o trabalho de poetas anônimos em contato com novos públicos.

Um poema em cada árvore foi uma das iniciativas premiadas com o Prêmio Vivaleitura 2011, concedido pela OEI - Organização dos Estados Ibero-Americanos, Ministério da Cultura, Ministério da Educação e Fundação Santillana.

A repercussão nacional do projeto somada à sua característica pioneira e de fácil replicação permitiu que diversos poetas, educadores, agentes culturais e sociais brasileiros manifestassem interesse em realizar o Um poema em cada árvore em suas cidades.





A participação de Xapuri

Xapuri participou, no dia 14 de março de 2012, Dia da Poesia, como parte de um Intercâmbio Cultural entre Agentes Culturais do Acre e de Minas Gerais, unindo as entidades culturais Instituto Psia (Governador Valadares/MG), Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri (Xapuri/AC), Cia. Arte na Ruína (Xapuri/AC) e Grupo Teatral Floresta (Rio Branco/AC).
Nesta Mobilização Nacional no dia da árvore, primeira edição nacional do projeto, Xapuri representou o Acre, disponibilizando suas árvores – do início da Rua 24 de Janeiro até a Praça São Gabriel – para que fossem pendurados poemas. Ao todo foram 25 poemas, onde 15 faziam parte de uma seleção também nacional de poemas, realizada pelo Instituto Psia, e 10 de artistas que representavam a terrinha.
A ação aconteceu simultaneamente nas cidades participantes, virando notícia e dando visibilidade aos poemas, possibilitando o acesso a diversas pessoas, de diferentes camadas da sociedade.
É a arte rompendo todas as barreiras geográficas.

As coordenação local e as fotos são de Clenes Guerreiro.



quinta-feira, 20 de setembro de 2012

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

SENAC está com inscrições abertas para cursos em Xapuri


O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC – Departamento Regional no Estado do Acre, torna público que, nos dias 10, 11 e 12 de Setembro de 2012 estarão abertas as inscrições para o Processo Seletivo destinado ao preenchimento de vagas do PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE  – PSG, em cursos de Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores, no Município de Xapuri/AC.

As vagas destinam-se a pessoas de baixa renda – cuja renda familiar mensal per capita não ultrapasse a 02 (dois) salários mínimos federais – na condição de alunos matriculados ou egressos do ensino fundamental ou médio, e trabalhadores  – empregados ou desempregados  –,  priorizando-se aqueles que satisfizerem as duas condições: aluno e trabalhador .

Serão 208 vagas para os seguintes cursos: Auxiliar Administrativo, Manicure e pedicure, Operador de computador, Costureiro e Cabeleireiro.

Os candidatos devem ter a partir de 15 anos de idade e se inscrever através do endereço: www.ac.senac.br.

As inscrições  são gratuitas.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

As superstições de minha avó

Por Clenes Guerreiro

Minha avó sempre tinha uma superstição para tudo. Não importava se você acreditava ou não, sempre vinha ela com uma resposta para algo inusitado que ocorresse com seu corpo, principalmente.

“-Coceira na mão? É dinheiro que virá em breve.” – Dizia ela. “-Olho ‘tremelicando’? Se for o direito é alegria. Mas se for o esquerdo, ihhhh, é raiva na certa.”

Eu ficava sempre de orelha em pé e me divertia com as coisas fantásticas que, segundo a tradição popular expressa pela senhora, mãe da minha mãe, podiam prever um futuro que, pelo visto, estava sempre muito próximo.

Outras coisas mais como topada em uma pedra, na rua, pode significar que alguém está querendo ‘roubar’ a pessoa amada; dor nas articulações bem que podia ser reumatismo, mas se não for frequente é sinal de que o tempo irá mudar – “ou chuva, ou friagem”.

Esses dias fiquei recordando da minha avó, já falecida, com muita saudade e lembrando das coisas supersticiosas que me dizia...

Também pudera. Em um só dia aconteceu um pouco de tudo: meu olhos ‘tremelicaram’, minha articulação do joelho esquerdo doeu, a mão coçou, levei uma topada em um tijolo que quase me arrancou o dedo...

Bem, eu não acredito em superstições. Se acreditasse... nossa, acho que poderia dizer que o fim do mundo, de fato, está muito próximo – ou pelo menos é o que diria a Dona Nenzinha, minha avó.
 
A imagem foi tirada do blog Juiz de Fora Online.