quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Grupo de Teatro Poronga

Poronga é uma coroa feita de lata – geralmente de óleo de cozinha – com uma lamparina na parte da frente que é utilizada pelo seringueiro, em sua cabeça, para trabalhar cortando seringa nas madrugadas da escura floresta.
Mas Poronga também é o nome dado ao Grupo de Teatro que comemorou no último domingo, dia 09 de agosto, dez anos de existência em Xapuri.
O Grupo de Teatro Poronga de Xapuri, embasado nos ideais de Chico Mendes e crente na capacidade criativa e revolucionária dos jovens xapurienses, vem desenvolvendo nesse período um trabalho dentro das artes cênicas e com visão assistencialista contemporânea, através de realização de oficinas teatrais e espetáculos a crianças, adolescentes e jovens carentes do município de Xapuri.
Desde que surgiu já beneficiou milhares de crianças, jovens e adultos com diversas oficinas que tem o objetivo de capacitar para a área artística – teatral, circense, artes plásticas, etc. - além de evitar que essas pessoas sigam “os maus caminhos”, tendo em vista que além de ocupar o tempo ocioso e trabalhar a parte artístico-intelectual, ainda são implementados assuntos relevantes na vida em sociedade: prevenção às drogas e as DSTs, meio ambiente, violência, ética, cidadania, formação de grupo, convivência em grupo, etc.
Os espetáculos são montados de acordo com a demanda de jovens no grupo e são de autores e temáticas diversas – autores locais, nacionais e internacionais, encontrados no banco de textos do Grupo.
Os espetáculos são encenados em escolas públicas das redes estadual e municipal, bairros periféricos, associação de moradores, eventos e programações diversas, no próprio município, nas cidades vizinhas, e até mesmo em outros países: Bolívia e Peru.
Em 2007, cansados de tanta falta de apoio e diversas barreiras que eram impostas para impedir que sua arte continuasse, o Grupo se juntou com artistas plásticos, músicos, dançarinos, djs, sonoplastas, maquiadores, pirofagistas, entre outros artistas, e formaram o Grupo “Arte na Ruína” - onde há menos de 100m da casa de Chico Mendes, em uma delegacia abandonada e em ruínas, tendo como teto as estrelas, encenaram diversas vezes o espetáculo “O ensaio Surreal do Grito Sufocado”, onde expuseram seus problemas, seu pedido de socorro, através da linguagem mágica da arte.
O movimento de jovens artistas deu tão certo que no ano seguinte gravaram o documentário, curta-metragem, pelo projeto Revelando os Brasis!, intitulado “Arte na Ruína”, levando sua luta cada vez para mais longe – ainda inspirados nos ideais de Chico Mendes.
Ao longo dos anos, o Grupo já participou de Festivais e Mostras (inclusive ganhando em uma mostra brasileense de teatro os prêmios de melhor atriz coadjuvante, melhor direção, melhor figurino), além de apresentar em diversas cidades (dentro e fora do Brasil).
Além do típico coquetel comemorativo da década teatral, os atores fizeram uma tocante homenagem à atriz Dallyanna Lima, falecida em 2003, um dos pilares do movimento teatral de Xapuri, emocionando às pessoas presentes com a leitura do trecho do seu livro (trabalho de escola) 'Páginas da minha vida', em que falava sobre seus amigos, o teatro e sua gravidez.
O Grupo Poronga conta hoje com 10 pessoas – contando com a direção de um dos formadores do Grupo, Amarildo Ferreira – e continua realizando oficinas diversas, esperando apoios para continuar com seu belo trabalho - feitos marcantes da história cultural da Princesinha do Acre.



Fotos:

*1 -Apresentação de pirofagia - Pré-espetáculo "O Ensaio Surreal do Grito Sufocado" - Expoacre 2008 - Acervo Grupo Poronga;

*2 - Formação inicial do Grupo em 1999 - Na Bolívia - Acervo Grupo Poronga;

*3 - Banner do espetáculo "Se ela dança eu danço" - Acervo Grupo Poronga;

*4 - Apresentação do "Se ela dança eu danço" no Museu Casa Branca (Dallyanna Lima é a grávida da foto)- Acervo Grupo Poronga;

*5 - Gravação do Documentário "Arte na Ruína" - Acervo Arte na Ruína.

14 comentários:

Monica disse...

Meu Deus,
como amo teatro!
E fico maravilhada toda a vez que encontro um grupo de teatro com tanta história para contar (estou falando de tempo de existência mesmo!).
Parabéns ao Teatro Poronga por seus 10 anos. Que venham mais 10, mais 100, mais 1000!
Muita merda para vocês!!!

Monica Sanchez
Brasileira de São Paulo, morando em Lima, no Peru há exatos 10 anos no dia do aniverśario de vocês (olha a coincidência).

Monica disse...

E muito bom o grupo já ter apresentado aqui no Peru. Pena que não fiquei sabendo.

Beijos teatrais.

Monica

Thony Christian disse...

Parabéns!
Parabéns ao blog por tratar de forma tão abrangente e esclarecedora a história do Teatro Poronga
e
parabéns ao Poronga por 10 anos de incansáveis lutas.
Como presenciei algumas apresentações estou certo de que ainda podem contar com muitos outros anos, pois são talentosos e guerreiros.
Pena não ter assistido ainda o documentário de vocês...
Parabéns!

Thony Christian disse...

E parabéns também pelas fotos. A arte do espetáculo Se ela dança' está ótima, hilária!
rs

ATé mais.

Sebastian disse...

É muito bom saber q ainda existe grupo de teatro no Brasil que resiste há tantas injustiças, desigualdades ee falta de verba para a cultura.
Você são batalhadores, parabéns atores do Poronga.
Continuem produzindo e acreditando na melhoria.
Feliz aniversário, colegas.

cássia disse...

Saudades dos amigos do Poronga... olha que já faz um tempão.
Quero desejar mais e mais sucesso, que continuem fazendo arte nas terras de Chico Mendes.
O Acre precisa de gente como vocês!

Da amiga

Cássia Tesouro

cássia disse...

Esqueci de perguntar se o Poronga já tem um blog/site onde possa ter acesso a mais fotos, vídeos, histórias do grupo?

Rennan disse...

Poronga! Poronga! Poronga!
Eu conheço o objeto e a simbologia do tal. Sei tb que Chico Mendes muito difundia essa simbologia. Agora ter um grupo de teatro que faça o mesmo é o máximo! até porque teatro leva a luz de diversas maneiras e aos lugares mais profundos: alma, coração, mente, vida.
Quero parabenizar o Poronga por 10 anos de existência. Uau! isso é muita coisa. Quem é da área sab o quento é difíiiiicil. Parabéns, vocês merecem!

cildo disse...

Deus é O Cara!
O Cara porque me fez ser um iluminado, especial, feliz. Eu não tenho dinheiro, não tenho poder, influência, não sou o melhor do mundo, mas tive o prazer de conhecer gente inteiramente especial. Nesse bolo posso citar: Clenes (amigo especial de todas as horas, excelente ator, diretor e escritor), Amarildo (amigo, diretor, a outra parte do cérebro do Grupo) e tive a sorte imensa de conhecer e me casar com Dallyanna Lima, a bela e talentosa atriz, escritora, palhaça, contadora de história e mãe do meu filho lindo Amon-há!
Todos fazem parte de um Grupo que tmbém não tem dinheiro, nem poder, nem influência, mas são unidos pelo poder transformador da arte do teatro: Grupo Poronga!
Nesses 10 anos nos encontramos no mundo e tenho a certeza que Deus soube o que fez...
Pena que nem tudo é para sempre e a Dally teve de 'brilhar em outros céus', como dis o Clenes. E ficamos orfaos, não temos mais nossa luz. Mas, como toda apresentação é contínua como a vida, o show não pode parar.
Obrigado Clenes pela homenagem ao nosso grupo e a Dallyanna no dia da comemoração do aniversário. Nossa caminhada continua sofrida, mas seria ainda mais se você não estivesse aqui, meu amigo.
Parabéns a nós!
:(

tania1905 disse...

Parabéns ao Grupo Poronga!
mais 10 anos!!!

Geneide disse...

Meus amooores!
Quanto tempo não os vejo? não sei se vão lembrar de mim. Sou Geneide e fiz uma oficina de teatro com vocês, do Poronga, em Rio Branco, no Acre.
Como fico feliz em saber que a trupe permanece unida e praticando arte na linda Xapuri.
Continuem porque a vida não para e a arte é necessária.
Beijos teatreiros.

Do Rio (RJ).

Mario disse...

Fotos dignas de aplausos.
10 anos? no Brasil, digno de aplausos!
Teatro Poronga, linda história, linda ideologia.
Quebrem a perna.

Mario Zabronni
São José dos Campos-SP

Brother Fight Jiu Jitsu Team disse...

Teatro Poronga fez parte da minha vida por muito tempo. Foi lá que aprendi coisas muito importantes para a minha evolução como pessoa: aprendi a amizade, o profissionalismo, o amor pela arte, o companheirismo e a admira pesssoas que merece o devido valor (meu irmão Clenes, a Dallyana, e muito mais).
Foi o período mais feliz da minha vida!
Parabéns Família Poronga. E a festa de aniversário foi linda... homenagem maravilhosa pra Dally, ela merece!
Desejo tudo de muito bom.

Elielson Rufino disse...

Parabéns, Clenis!

O Teatro Poronga não seria o mesmo se não fosse você segurando o grupo.
Tudo de bom, meu amigo!