quarta-feira, 30 de maio de 2012

Os bobos de Xapuri

Por João Roberto Braña Bezerra

Meu filho João Lucas, um jovem de 18 anos - ia passando por um desses restaurantes de beira de esquina da capital, vestindo uma camiseta com a imagem de Chico Mendes, quando uns caras que almoçavam o chamaram e se apresentaram como ‘moradores de Xapuri’. Perguntaram a ele por que usava aquela blusa.

Antes de meu filho esboçar alguma reação e responder qualquer coisa os bobos de Xapuri começaram a enxovalhar Chico Mendes, o acusando de absurdos que nós todos já estamos acostumados a ouvir e a não dizer nada, na maioria das vezes. O nível dos argumentos usados para intimidar meu filho foi muito baixo. Resultado: isso confundiu ou pelo menos fez meu filho me questionar sobre quem tinha sido mesmo Chico Mendes.

Falei a ele que os ataques a Chico Mendes fazem parte de uma luta política que se trava no Acre e na Amazônia atualmente – hoje com mais intensidade. Uma luta ideológica. E que essas pessoas que o abordaram, esses bobos de Xapuri [não sei se são mesmo de lá] não sabem ou não querem reconhecer a importância de Chico para o Acre, o Brasil e o mundo. Independente dos seus problemas que teve como pessoa – bastante ressaltados pelos bobos de Xapuri – Chico Mendes ajudou o Acre a chamar à atenção para o problema do ambiente. E, que, mesmo assassinado pelos opositores da floresta ele continua ajudando o Acre a seguir em frente. O Acre mudou graças a Chico Mendes. Não é frase feita. É fato.

Constato ainda que esses adversários do ambiente, defensores do modelo rondoniense de ‘prosperidade’, estão se agigantando no Acre. Meu filho ficou em dúvida depois dessa conversa com esses reacionários – seriam trogloditas? - de Xapuri.

Por fim, disse a meu filho que ele precisava estudar mais esse assunto para entender melhor sobre as necessidades do planeta e dessa luta ideológica, política, que se trava no dia-a-dia aqui no Acre e na Amazônia.

Sinceramente: fiquei preocupado que pessoas que se dizem de Xapuri ainda não conseguiram compreender o significado de Chico Mendes para as suas vidas e a vida no Acre. Para esses o que valeu mais foi a vida pessoal, repleta de ‘defeitos’ que Chico Mendes possivelmente levou enquanto estava vivo. A causa e a bandeira que ele empunhou, essas, não valeram absolutamente nada para os bobos de Xapuri.

Decidi: vou comprar uma camiseta com a imagem de Chico Mendes.


*João Roberto Braña Bezerra é professor e jornalista em Rio Branco e transcreve suas ideias no Blog do Braña.

Notas do ENEM serão parâmetro para ingresso nos Cursos Superiores do IFAC


Os candidatos interessados em ingressar nos cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre – IFAC, através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) devem se inscrever no programa, até as 23h59min de 15 de junho, no horário de Brasília. O IFAC tem adotado as notas do Enem para ingresso nos cursos superiores de Tecnologia e Licenciaturas.

Além da nota do Enem, o IFAC prevê para o mês de junho, a abertura de edital de processo seletivo 2012/2, para os cursos técnicos, que tem o sorteio como critério para o ingresso. Para os cursos superiores, estão previstas ofertas de vagas para os cursos de Tecnologia em Logística no IFAC/Campus Rio Branco e Tecnologia em Gestão Ambiental no IFAC/Campus Xapuri. Em ambos será utilizada a nota do Enem 2012.

A nota do Enem será utilizada para o ingresso no IFAC por meio do Sistema de Seleção Unificado (SiSu). O MEC informa que o Enem servirá para que o estudante se beneficie do Programa Universidade para Todos (ProUni), obtenha o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) ou participe do programa Ciência Sem Fronteiras.

Além disso, os participantes maiores de 18 anos que ainda não terminaram a escolarização básica podem participar do Enem e pleitear a certificação no ensino médio junto a uma das instituições que aderirem ao processo – secretarias estaduais de educação, os institutos federais e os centros federais. A lista das instituições certificadoras está no edital do Enem 2012.

Leia mais no site do IFAC.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Primeira Turma de Meio Ambiente do IFAC se forma


Aconteceu, na última sexta-feira, a formatura da primeira turma do Curso de Meio Ambiente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre – IFAC/Campus Xapuri. A solenidade marca o trabalho que vem sendo realizado pelo IFAC, em investir em cursos voltados para apoiar o desenvolvimento dos municípios em que os campi da instituição estão instalados, valorizando os arranjos produtivos locais.
O Diretor Geral do Campus Xapuri, Prof. Sérgio Flórido, destaca que a primeira turma tem sua história própria, pois enfrentaram todos os desafios de início, mas a união fez a diferença. “Esta primeira turma, formada por 28 técnicos, tem um diferencial de ter enfrentado as dificuldades, mas não desistiram.”
A primeira turma de formandos do IFAC leva o nome de Sara Milani, em homenagem a filha da professora de Psicologia do curso, Vanessa Milani, uma das maiores incentivadoras do grupo. A menina teve um grave problema de saúde e hoje está em outro Estado, com sua mãe, fazendo tratamento e a comissão de formatura faz esta homenagem numa demonstração do respeito, gratidão e saudades.
A formatura, que contou com a presença de autoridades e familiares dos novos técnicos, representou um marco para Xapuri, tendo em vista que é a primeira turma de um curso ofertado por uma instituição nova mas que vem oferecendo oportunidade de educação para a enorme quantidade de jovens que, até pouco tempo, abandonavam o município para, assim, dar continuidade aos estudos.


Com informações do IFAC/Xapuri
Foto: Acervo pessoal de Alan Ferreira

domingo, 27 de maio de 2012

Instituições museológicas tem prazo para responder pesquisa

Entidades que participaram de evento do Ibram têm até 6 de junho para responder pesquisa

As 1.100 instituições que participaram da 10ª Semana de Museus, realizada de 14 a 20 de maio em todo o país,  terão até o dia 6 de junho para responder ao questionário relativo à pesquisa que vem sendo feita com o objetivo de medir os resultados da iniciativa. As respostas vão auxiliar o aprimoramento das próximas edições do evento, que é realizado anualmente pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), instituição vinculada ao Ministério da Cultura.

Dentre as questões estão perguntas relativas à infraestrutura, público e arrecadação. Com as informações levantadas, o Ibram pretende conhecer melhor os museus brasileiros, suas características e saber como como interagem com a comunidade.

A iniciativa do Ibram é realizada a cada ano na semana em que se comemora o Dia Internacional dos Museus, 18 de maio. O principal objetivo é despertar o interesse da sociedade para o setor museológico e atrair cada vez mais visitantes para as instituições de todo o país.

As informações são do IBRAM.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Aplausos

O maior pagamento pelo labor de um artista são os aplausos sinceros de uma platéia exigente. E quem disse que crianças e adolescentes não formam o coletivo de plateia exigente? E esse é o maior retorno dos jovens da Cia. Arte na Ruína e Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri.

Na manhã da última sexta-feira, 18 de maio, em comemoração ao Dia Internacional de Museus, fazendo parte da programação da 10ª Semana Nacional de Museus, artistas de dois grupos xapurienses se reuniram para apresentar, no Museu do Xapury, o espetáculo "E quem mandou se chamar Maria Bonita?", arrancando risadas - e a importantíssima participação de voluntários que interagiam com os atores.

A mesma apresentação se repetiu à tarde, com público não menos exigente e participante - formado por estudantes da rede estadual de educação.

Com o tema "Museus em mundo em transformação: novos desafios, novas inspirações", a Semana permitiu a continuidade de um trabalho já desenvolvido pelo Museu do Xapury - o de abrir seu espaço para a comunidade, não apenas para visitas guiadas e consulta a seu acervo, mas aos artistas e seu público, para que dialoguem através da lúdica Arte e assim possam promover as mudanças necessárias, devidamente debatidas nas singelas (e sinceras) apresentações culturais.

O fazer artístico e cultural se estende, contagiando o público, que também se torna participante - seja nas apresentações, seja na vida, com as mensagens que permeiam o vislumbrar surreal dos contatos visuais/sensoriais.

Ficha técnica
Espetáculo: E quem mandou se chamar Maria Bonita?


Texto: Clenes Guerreiro

Direção: Clenes Guerreiro e Cleilson Alves

Realização: Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri e Cia. Arte na Ruína

Contrarregra: Álder Járide D´Ávila

Elenco:
*Clemilsa Alves - Maria Bonita Loira
*Elaine Queiros - Maria Bonita Morena
*Clenes Guerreiro - Apresentador Pedro Roberto Manoel
*Cildo Aquino - José João
*Willis Martins - João José
*Dyogo Henrich - Assistente de palco
*Álder Járede - Participação especial

Fotos:
*Artistas e guias do Museu do Xapury - Por Caticilene Rodrigues;
*Público - Por Álder Járede D'Ávila
*Apresentação - Por Caticilene Rodrigues

domingo, 20 de maio de 2012

IFAC abre concurso para docentes e técnicos


O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre – IFAC iniciou, nesta sexta-feira, 18, as inscrições para o concurso público para provimento de 157 vagas, sendo 113 para docentes e 44 para técnicos.
O concurso público visa atender uma demanda por técnicos e professores para o Campus Avançado da Baixada do Sol, que será inaugurado no segundo semestre de 2012, com cursos nas áreas de Aquicultura e Edificações, além de vagas para os campi de Rio Branco, Sena Madureira, Cruzeiro do Sul e Xapuri.

Leia mais clicando aqui.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

E quem mandou se chamar Maria Bonita?


Imagine um programa de televisão que debata as temáticas regionais, com um apresentador maluco e convidados irreverentes e cheios de charme – assim é a apresentação teatral “E quem mandou se chamar Maria Bonita?”.
O espetáculo, que inicialmente seria uma parceria entre a Cia. Arte na Ruína e o Grupo Teatral Floresta (de Rio Branco), devido a problemas logísticos, foi encenado com auxílio do Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri.
“E quem mandou se chamar Maria Bonita” conta com a direção de Cleilson Alves (Cia. Arte na Ruína) e Clenes Guerreiro (Grupo Fuxico) e grande elenco.
Ainda dá tempo de assistir:

Local: Museu do Xapury
Manhã: Às 10h

Tarde: Às 16h

Contação de Histórias no Museu do Xapury

Dando continuidade à programação da 10ª Semana Nacional de Museus, o Museu do Xapury contou com duas apresentações de contação de histórias, uma de manhã e outra à tarde.
A apresentação se chamava "Coisas dos Seringais", apresentando histórias colhidas junto aos moradores das florestas de Xapuri, em projetos anteriores do Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri.
Para essas apresentações o Grupo Fuxico contou apenas com parte de seus contadores: Álder Járide D'Ávila, Clenes Guerreiro e Willis Martins e fez a alegria da meninada - em sua maioria estudantes da rede estadual de educação.
O Grupo Fuxico, dentro de seus objetivos de interação com a plateia, fez alguns jogos teatrais voltados para a oralidade e solicitou que alguns voluntários se tornassem, por alguns minutos, também contadores de histórias - o que enriqueceu ainda mais o evento.


A programação principal finaliza nesta sexta com uma apresentação teatral da Cia. Arte na Ruína.

Fotos:
*1 e 2 - Por Caticilene Rodrigues.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Coisas dos seringais


Grupo Fuxico se apresenta na 10ª Semana Nacional de Museus
 
Os seringais guardam, em suas misteriosas e ricas matas, muitas histórias que povoam o imaginário daqueles que vivem ou viviam lá. Tais histórias são repassadas de pais para filhos ao longo de várias décadas, como um verdadeiro tesouro – que nem sempre é partilhado com pessoas que não fazem parte desse círculo familiar.
Um legado de narrativas orais advindas de diversos lugares – do Brasil e do mundo – e que vieram para a Princesinha do Acre no primeiro e segundo ciclos da borracha, mesclando-se com a essência local.
Essas histórias – agora denominadas 'caboclas' – são foram resgatadas pelo Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri, classificadas em vários grupos temáticos e disponibilizados ao público por meio de suas apresentações de contação de histórias.
Se apropriando de técnicas teatrais, formas animadas e utilizando, também, do jeitinho especial que os povos da floresta utilizam para contar suas histórias e estórias, o Grupo Fuxico montou mais um cardápio de narrativas orais – dessa vez chamadas de “Coisas dos Seringais” - e estará apresentando logo mais, no Museu do Xapury, a partir das 9:15h, com direção de Clenes Guerreiro.
A apresentação do Grupo Fuxico faz parte da programação da 10ª Semana Nacional de Museus e poderá ser vista pela comunidade xapuriense nesta manhã e à tarde (a partir das 15:15h).

Todos os interessados em assistir podem se dirigir ao Museu do Xapury, localizado na Rua Coronel Brandão, nº 156, Centro de Xapuri.

Ilustração:
Banner adaptado da Cia. Fuxico.

Filmes de animação foram exibidos no Museu do Xapury



A 10ª Semana Nacional de Museus ofereceu, em Xapuri, dentre sua vasta programação, sessões de filmes de animação direcionados para o público infantil e juvenil, exibidos nos dias 15 e 16 de maio.
Os filmes foram selecionados de acordo com as temáticas lúdicas direcionadas para as faixas etárias específicas, tendo como maior público as escolas das redes estadual e municipal de educação do município.
O público participante riu e se emocionou com os personagens dos filmes exibidos, tendo o contado com a mostra de curta-metragens e os diversos criadores do mundo mágico da animação – pouco difundido na região.
O Museu do Xapury tem se tornado um espaço aberto para os mais diferentes tipos de arte, abrindo suas portas para que a comunidade local dialogue não apenas com a obra, mas com seus criadores, artistas das mais diferentes áreas.
A programação no Museu do Xapury conta ainda com apresentação de contação de histórias (quinta-feira, 17/05) e espetáculo teatral (18/05).

Foto:
*Exibição de filmes para o Ensino Infantil - por Caticilene Rodrigues.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Segunda sessão de filmes infantis no Museu do Xapury


Dando continuidade à programação da 10ª Semana Nacional de Museus, fechando a exibição de vídeos, o Museu do Xapury faz sua segunda sessão de filmes infantis, a partir das 15:30h, com a seguinte mostra:

Para chegar até a lua

Diretor: José Guillermo Landi Hiertz
País: Brasil (São Paulo/SP)
Ano: 2005
Sinopse: Como será viver tão sozinho a ponto de nem sequer saber o que é solidão? Assim vive Jaime, uma mosca-das-frutas. Ao nascerem, elas possuem apenas um dia e um único propósito de sobreviver, acasalar e morrer. Porém, Jaime nasce atrasado em relação aos seus irmãos e irmãs e perde o ciclo de vida ao qual fora destinado. Agora, com menos de um dia de vida, Jaime inicia sua curta jornada pelo mundo, buscando algo que dê sentido à sua existência. Filme em 3D.


Como pode viver o peixe

Diretor: Frata Soares
País: Brasil (Rio de Janeiro/RJ)
Ano: 2008
Sinopse: A história de um menino que aprende a lidar com a perda de seu melhor amigo. Adaptação da cantiga de roda popular “Como Pode Viver o Peixe”. 


O quarto de Jobi – O quarto escuro

Diretor: Andrés Lieban
País: Brasil (Rio de Janeiro/RJ)
Ano: 2008/2009
Sinopse: Como qualquer criança de sua idade, Jobi adora chegar em casa e fechar a porta do seu quarto. Afinal, qual é o menino de 9 anos que não curte esse primeiro gostinho de privacidade? O que descobrirmos ao espiar Jobi é que, dentro do quarto, ele e seu melhor amigo o sapo Oscar, encontram um atalho para o mundo.

Ainda dá tempo de conferir à programação!

Informações Adicionais: ABCA 
Ilustrações:  Diulgação

Mostra Infantil de Filmes no Museu do Xapury


Dentro da programação da 10ª Semana Nacional de Museus, no segundo dia da programação principal no Museu do Xapury, acontece a mostra infantil de filmes de animação – sessão manhã – com o seguintes destaques:

Casinha de cupim

Diretor: Horácio Baynes Young Jr
País: Brasil (Rio de Janeiro/RJ)
Ano: 2008
Sinopse: Uma menina faz uma viagem encantada dentro do seu livro infantil. Nessa aventura, ela não está só. Adaptação livre da cantiga de roda popular.




A Bruxinha Lili 
 
Diretor: Leonardo Copello
País: Brasil (Salvador/BA)
Ano: 2008
Sinopse: Era uma vez uma bruxinha muito, muuuuito, mas muuuuuuuuuuuito curiosa mesmo! Como é o nome dela? Lili! Uma criança feliz, encantada com a vida e ávida por descobrir os “porquês” de tudo. Assim, Lili sai por aí perguntando “como saímos da barriga da mamãe? ’” e outras pequenas dúvidas como esta até que surge uma questão que norteia o resto da história: Quem acende a luz da lua?
A Bruxinha Lili é um desenho animado totalmente produzido usando a técnica da aquarela aliada aos mais modernos recursos tecnológicos e justamente essa junção entre linguagem plástica, da tinta espalhada com precisão sobre o papel, e efeitos apenas possíveis com o uso do computador é o que torna-se evidente na tela e o que garante a atmosfera mágica da história. 


Sapo Xulé – Bem-me-quer

Diretor: José Paulo
País: Brasil (São Paulo/SP)
Ano: 2007
Sinopse: Após ler o livro “Como conquistar seu sapo”, Sapita sai em busca do Sapo Xulé e usa a indiferença como método de conquista. Quando o ouvi dizendo “bem me quer, mal me quer”, Sapita entra em júbilo pensando que ele a ama. Até que percebe que ele está falando de seu tênis, que tanto ama! Sapita fica furiosa.

É a partir das 9:30h da manhã, vai correndo pra lá!!!

Informações Adicionais: ABCA 
Imagens: Divulgação.

10ª Semana de Museus - Programação Acre


terça-feira, 15 de maio de 2012

O anão que virou gigante

Um dos destaques da mostra de filmes de animação no Museu do Xapury - sendo exibido dentro de instantes e fazendo parte da programação da 10ª Semana Nacional de Museus - o filme "O anão que virou gigante" é um dos curta-metragens selecionados para a mostra.

Leia a resenha sobre o filme:

O anão que virou gigante
Por João Toledo


O curta-metragem de Marão, uma animação bastante singela, de traço rústico e de poucos detalhes, se constrói em torno da vida de um personagem baixinho que, de repente, aos vinte anos de idade, volta a crescer e não pára jamais, tornando-se aos poucos um gigante. Uma narração em off, que consiste basicamente de reclamações acerca dos problemas que o tamanho (pequeno ou grande) lhe traz no dia-a-dia, ocupa todo o curta e serve como uma espécie de guia da história, enquanto a imagem apenas ilustra situações curiosas que não constituem nenhuma narrativa muito precisa, de acontecimentos que seguem uma lógica seqüencial mais estrita. O problema é que, nesse caso, a imagem se vê subjugada pela palavra, torna-se dependente da estruturação do discurso para fazer sentido.

O desenho é interessante, a expressividade daqueles personagens de traço simples é bastante rica, e até mesmo a narração consegue momentos de graça, mas é próximo do final que vemos se acentuar aquilo que parecia um problema menor. Chega-se, no fim, depois de momentos bastante engraçados, a uma espécie de moral da história, a uma lição meio simplista que torna o filme numa desculpa apenas para seu fim, para sua mensagem sobre sentir-se confortável com si mesmo sem deixar que características físicas afetem nossa personalidade ou nossa relação com o mundo. Tudo o que se constrói e que ganha força enquanto momento autônomo se desmorona quando passa a operar em função de discursos, mas mesmo em sua ingenuidade há uma força expressiva no traço que merece ser incentivada.

Leia mais em Filmes Polvo
Ilustração: Divulgação.

Segunda sessão de filmes de animação é exibida no Museu do Xapury


A segunda sessão de filmes de animação no Museu do Xapury é direcionada, também, ao público juvenil. A mostra faz parte das programações da 10ª Semana Nacional de Museus, que acontece paralelamente em todo o Brasil, com eventos em mais de 1000 instituições museológicas, divididas em cerca de 500 cidades.
Em Xapuri, a programação principal se estende até sexta-feira, 18 de maio, Dia Internacional de Museus, contando com apresentação de espetáculo teatral (Cia. Arte na Ruína), contação de histórias (Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri), além da mostra de filmes de animação.
A mostra juvenil se dividiu em duas sessões, manhã e tarde, onde seu maior público são as turmas das escolas das redes estadual e municipal de educação do município.

Os filmes exibidos, a partir das 15h30min, no Museu do Xapury, são:

O jumento santo e a cidade que se acabou antes de começar

Diretor: Andrés Lieban
Ano: 2007
País: Brasil (Olinda/PE)
Sinopse: Quando Deus resolve criar o mundo, as coisas acabam não saindo como planejado. O sertão nunca mais será o mesmo, depois que o jumento Limoeiro vem a terra pra dar um jeito na humanidade, que depois de sucumbir à tentação do capeta, acaba botando o mundo em desordem.

Informações adicionais: ABCA


A improvável todavia autêntica história do anão que virou gigante

Diretor: Marão
Ano: 2008
País: Brasil (Rio de Janeiro/RJ)
Sinopse: Já ouviram falar de alguma pessoa que foi Anão e Gigante em uma mesma vida? Sim, existem várias pessoas que conseguem "crescer"...
"A gente não é o que a gente mede, nem o que a gente pesa (...) Não é a estrutura óssea, hormonal ou glandular. Não é isso que faz alguém crescer."


Informações Adicionais: Anão ser gigante

Ainda dá tempo de assistir!
 
Ilustrações: Divulgação


Exibição de Filmes de Animação


Dentro da programação da 10ª Semana Nacional de Museus, o Museu do Xapury exibe filmes de animação para o público infantil e juvenil.
Nessa manhã, a partir das 9:30h, inicia-se a mostra, com os seguintes filmes:

A princesa e o violinista

Diretor: Guto Bozzetti
Ano: 2008
País: Brasil
Local de Produção: RS
Sinopse: Uma animação sobre a invenção da tristeza. Através da narração e da imaginação de uma garotinha de 5 anos, “A Princesa e o violinista” recria com bom humor o universo clássico das fábulas infantis. O episódio conta a história de uma princesa que durante muitos anos fica presa em uma torre. Seu pai, o poderoso rei, faz um concurso para achar o mais valente dos guerreiros para casar com sua filha. No dia em que encontram o corajoso cavalheiro escolhido, a princesa é sequestrada pelo violinista que espalha a tristeza através da música de seu instrumento.

Informações: Filmow 



Queda Livre

Diretores: Marcelo Vidal e Renan de Moraes
Ano: 2009
Local de Produção: RJ
Sinopse: Terror e pânico. Plínio um desengonçado Quati, salta de pára-quedas em uma frenética queda livre. O filme é em 3D.

Informações: ABCA

A mostra dessa manhã é direcionada ao público infantil.
Ainda dá tempo de ir – não percam!

As imagens são de divulgação dos filmes.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

10ª Semana Nacional de Museus


O Museu do Xapury integra a maior programação nacional dos museus de todo o Brasil. São 1.140 instituições museológicas em mais de 500 cidades de todo o país, com eventos como palestras, apresentações de teatro, contação de histórias, exposições, gincanas, homenageando o Dia Internacional de Museus, comemorado em 18 de maio.
Em Xapuri, a programação principal acontece de 15 a 18 de maio, dentro do tema da 10ª Semana - "Museus em um mundo em transformação: novos desafios, novas inspirações" - conforme abaixo:

MUSEU DO XAPURY

De 01 a 31/05

Exposição “Contatos Transvisuais'

Telas de artistas regionais

Horário: de segunda-feira a sábado, das 08h às 18h


Visita Guiada

Com as guias: Marianne Buriti, Taiane Cristina e Cleilson Alves

Horário: de segunda-feira a sábado, das 08h às 18h


Dia 15/05 – Terça-feira

Exibição de filmes – Mostra Juvenil (Manhã)

A princesa e o violinista – de Guto Bozzetti

Queda Livre – de Marcelo Vidal e Renan de Moraes

Horário: 09:30h


Exibição de Filmes – Mostra Juvenil (Tarde)

O jumento santo e a cidade que se acabou antes de começar – de Andrés Lieban

A improvável todavia autêntica história do anão que virou gigante – de Marão

Horário: 15:30h


Dia 16/05 – Quarta-feira

Exibição de filmes – Mostra Infantil (Manhã)

Casinha de cupim – de Horácio Baynes Young Jr

A Bruxinha Lili – de Leonardo Copello

Sapo Xulé – Bem-me-quer – de José Paulo

Horário: 09:30h


Exibição de Filmes – Mostra Infantil (Tarde)

Para chegar até a lua – de José Guillermo Landi Hiertz

Como pode viver o peixe – de Frata Soares

O quarto de Jobi – O quarto escuro – de Andrés Lieban

Horário: 15:30h


Dia 17/05 – Quinta-feira

Contação de Histórias: 'Coisas do seringal'

Grupo Fuxico de Contadores de Histórias de Xapuri

Direção de Clenes Guerreiro

Horário: 09:30h e 15:30


Dia 18/05 – Sexta-feira

Espetáculo Teatral – 'E quem mandou se chamar Maria Bonita?'

Cia Arte na Ruína e Grupo Teatral Floresta

Direção de Cleilson Alves e Rodrigo Garcia

Horário: 09:30h e 15:30h


ESPAÇOS DE MEMÓRIA CHICO MENDES

De 01 a 31/05

Visita Guiada

Com os Guias: Paula Janine, Jorge Júnior, Géssica Albuquerque e Joicinara Ferreira

Local: Casa de Chico Mendes, Memorial do Seringueiro e Centro de Memória Chico Mendes

Horário: de segunda-feira a sábado, das 08h às 18h

domingo, 13 de maio de 2012

Se as coisas fossem mães



Poema: Se as coisas fossem mães
Autor: Sylvia Orthof

Esse vídeo faz parte do projeto Aquele Poema, executado pela professora Gerlane Fernandes (uma das finalistas do Prêmio Viva Leitura 2011), de Juazeiro (BA).

sexta-feira, 4 de maio de 2012

O poeta da roça

Patativa do Assaré

Sou fio das mata, cantô da mão grosa
Trabaio na roça, de inverno e de estio
A minha chupana é tapada de barro
Só fumo cigarro de paia de mio.
Sou poeta das brenha, não faço o papé
De argum menestrê, ou errante cantô
Que veve vagando, com sua viola,
Cantando, pachola, à percura de amô.
Não tenho sabença, pois nunca estudei,
Apenas eu seio o meu nome assiná.
Meu pai, coitadinho! vivia sem cobre,
E o fio do pobre não pode estudá.
Meu verso rastero, singelo e sem graça,
Não entra na praça, no rico salão,
Meu verso só entra no campo da roça e dos eito
E às vezes, recordando feliz mocidade,
Canto uma sodade que mora em meu peito.


Imagem proveniente do blog Aquele Poema.