Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2009

Fonte do Bosque

Imagem
Em junho de 1915 foi entregue a servidão pública o manancial do Bosque que fornecia água para à população da cidade do Xapury, com melhoramentos adaptados pela Intendência Municipal. A antiga fonte, que fornecia água foi transformada em um tanque de alvenaria com 3m de comprimento por 2m de largura, acumulando em 12 horas 7.200L de água que era retirada por meio de uma torneira.A Fonte do Bosque é também considerada um dos locais mais importantes para os xapurienses. Dela era extraída água que matava a sede dos transeuntes e também dos moradores da cidade. Servia também para lavar roupa das famílias do lugar. Existiam duas pessoas que sobreviviam da água que eles vendiam da fonte – Chico Ferraz e Manoel “Bundinha” - que transportavam em um jumentinho, em galões. Esses vendedores viviam do comércio de água e abasteciam os lares das famílias que tinham condições financeiras para arcar com o consumo do líquido cristalino. Era chique beber e lavar com água da Fonte do Bosque.Foto:* Fo…

Museu do Xapury na 7ª Semana Nacional de Museus

Imagem
Conhecer a história de Xapuri por meio da arte nos permite vivenciar prazerosamente o passado e ajuda a refletir sobre o futuro.
Essa é a proposta do Museu do Xapury ao aderir à programação da Sétima Semana Nacional de Museus, que contou com a participação ativa de artistas – atores, músicos, contadores de história – além de gente que faz a incrível arte da vida em Xapuri.
Com o tema Museus e Turismo a Sétima Semana Nacional dos Museus, que, em verdade se estende por todo mês de maio, é um evento comemorativo aos museus que envolve seminários, exposições, oficinas, espetáculos, visita a museus, dentre outras expressões artísticas por todo o país.
Em Xapuri os eventos aconteceram no próprio prédio do Museu do Xapuri – com duas apresentações de contação de histórias na E.E.E.I. Latife Zaine Kalume – e contaram com apresentações de espetáculos teatrais do Grupo de Teatro Poronga de Xapuri, contação de histórias dos jovens contadores Clenes & Cley (e amigos), exibição do documentário do…

Fazedores de história

Imagem
Gente especial de Xapuri, guerreiros da Princesinha do Acre, pessoas que não cruzam os braços, história viva que faz mais história...

É assim que os filhos da querida cidade de Xapuri marcam sua presença nesse pequeno pedaço de terra delimitado por Deus.

Os xapurienses são fazedores de história que não deixam morrer suas raízes e sua essência, pois é aí que prevalecem as verdadeiras referências culturais de Xapuri.

Um exemplo evidente dessa garra em fazer história são os artistas que realizam a programação da 7ª Semana Nacional de Museus no Museu do Xapury.

A programação – apoiada pela FEM e pelo IPHAN – conta com as apresentações de espetáculos teatrais do Grupo Poronga de Xapuri – que já faz arte há quase 10 anos -, exibição do documentário do Arte na Ruína do Revelando os Brasis, os contos regionais dos jovens contadores de histórias Clenes & Cley (e amigos), além dos apreciáveis sons dos músicos/sonoplastas que se dispõem a abrilhantar ainda mais o evento.

Tais representações artís…

Museu do Xapury: Semana Nacional de Museus

Imagem
O Museu do Xapury convida todos a participarem da 7ª Semana Nacional de Museus, a realizar-se de 17 a 23 de maio de 2009, sobre o tema Museus e Turismo. Essa programação nacional dá aos museus brasileiros mais oportunidades de tornarem reconhecido seu potencial, sua atratividade, pluralidade cultural e diversidade. A Semana Nacional de Museus é uma clara demonstração da potência, da atualização e do desenvolvimento do campo museal brasileiro, bem como da importância de se investir na relação Museus e Turismo. A programação tem o propósito de integrar os museus brasileiros e intensificar sua relação com a sociedade.O evento conta com a seguinte programação: De 01 a 31/05Exposição de fotografias do Inventário de Referências Culturais de XapuriDia 18/05 (Segunda-feira)Espetáculo Teatral “Belinha e o Bêbado”Grupo de Teatro Poronga de XapuriHorário: às 09:30h e às 15:30hDia 19/05 (Terça-feira)Mostra de documentário Revelando os Brasis: Arte na RuínaHorário: às 09:30h e às 15:30hDia 20/05 (…

Rua do comércio

Imagem
Xapuri, em tempos saudosos, era uma cidade que tinha ricos comerciantes que vendiam suas mercadorias para a população urbana. Abasteciam também os seringais com suas mercadorias e traziam daquelas unidades grandes quantidades de borracha e outros produtos provenientes da floresta. As grandes casas comerciais de Xapuri como a Casa Galo, A Limitada, a Zaire e a Kalume costumavam fazer com frequência este tipo de transação comercial. Estas eram ligadas à comerciantes de prestígio, que faziam parte da elite local.Os produtos oriundos dos seringais xapurienses eram comercializados nas casas comerciais. Eram nesses lugares que se aviavam as mercadorias.Havia couros e peles. As peles de animais silvestres vindo ali pela beira do barranco. Ninguém roubava. Era na Rua do comércio que era encontrado “de tudo”. O comércio de Xapuri era abundante, farto, e contava tanto com produtos nacionais como estrangeiros. Era possível achar em suas lojas comerciais os melhores tecidos tais como linho, casi…

Gente de Xapuri

Imagem
Xapuri é terra especial. É uma cidade guerreira que não feneceu sob as garras de seus inimigos e as sucessivas lutas empreendidas com o intuito principal, pode parecer, de simplesmente destruí-la, transformá-la em cinzas.

Mas, o que nenhum ser maléfico poderia contar é que Xapuri é cidade guerreira, que como a Fênix, ressurge das cinzas assim que as chamas de cada pancada é desferida sobre seu cansado seio.

E não podia ser diferente, pois terra especial somente poderia dar frutos especiais.

Gente de Xapuri é gente especial.

São homens, mulheres, crianças, jovens, velhos, negros, brancos, índios, seringueiros, artistas guerreiros do incansável palco da vida xapuriense.

Alguns nasceram em Xapuri, outros vieram do nordeste e ainda existem aqueles que descendem de pessoas oriundas da Europa e do Oriente próximo.

Tem aqueles que moram nas mais distantes florestas, outros nas mais próximas ruas da cidade.

Há aqueles que ainda são seringueiros, mas existem os que já foram um dia. Existem, ainda, os…