Chico Mendes

Nascido no dia 15 de dezembro de 1944, recebeu o nome do seu pai: Francisco Alves Mendes Filho, mas como todo menino chamado Francisco, desde cedo virou Chico. Cresceu no Seringal Porto Rico, em Xapuri, e com dez anos de idade já cortava seringa sozinho para ajudar na produção de seu pai. Logo quis aprender mais coisas e com a ajuda de um amigo que morava perto de sua casa aprendeu a ler e escrever.

Chico começou então a ajudar seu povo. Fazia reuniões, explicava a realidade das coisas e tentava organizar os homens e mulheres da floresta para acabar com a exploração dos patrões. Foi ameaçado e perseguido por isso. Pela primeira vez, Chico soube o que era sentir medo. Mas sua missão era ainda maior. Era preciso resistir contra o desmatamento e a transformação da floresta em pasto.

Foi quando surgiu o primeiro Sindicato de Trabalhadores Rurais do Acre. Logo a ideia se espalhou e outros sindicatos surgiram. A igreja se juntou à luta dos seringueiros e, nas cidades, muitos começaram a perceber que um drama se desenrolava nas matas acreanas. Chico foi preso e torturado, Wilson Pinheiro foi assassinado, Ivair Higino e outros seringueiros também tombaram sob a sanha dos pistoleiros.

Os índios e ribeirinhos se uniram aos seringueiros, dando origem à Aliança dos Povos da Floresta, e liderados por Chico Mendes fizeram ecoar no mundo que a floresta era sua causa e isso ninguém podia lhes tirar.

Mas seus inimigos eram muitos e poderosos.

E assim, ao entardecer do dia 22 de dezembro de 1988, Chico foi baleado e morto na porta dos fundos de sua casa... e os povos da floresta choraram.

Mataram Chico, o homem, mas não conseguiram matar seu espírito e sua luta.

Os inimigos de Chico foram derrotados por sua morte. As idéias que Chico defendeu impregnaram os corações dos homens de bem deste mundo e sua voz se fez ainda mais forte.
Hoje são muitos Chicos lutando e seu espírito guia os povos da floresta e nos lembra sempre que a floresta é nossa casa, nossa vida e nossa mãe e assim será para sempre.

Fontes de referência:
* Museu do Xapury;

Fotos:
*1 - Chico Mendes em um momento de descontração - acervo familiar;
*2 - Chico Mendes em uma de suas viagens - acervo familiar;
*3 - Chico Mendes e sua filha Elenira - acervo familiar.

Comentários

Thony Christian disse…
Mais do que na hora de falar do grande Chico Mendes. Sei que já fizeram postage q citava ele, mas uma matéria especial merece respeito.

Só achei que falariam dos 10 anos do Grupo Poronga, que fazer uma década de arte em qualquer lugar do mundo não é para qulquer um.
Fica a sugestão aí, minha gente boa do blog. Vale valorizar tudo de importante no município.
Thony Christian disse…
Por falar nisso, foi legal a festa de aniversário do Teatro Poronga? recebi o convite e nem pude comparecer. Mas sei q aniversário de Grupo de teatro é muita doideira. Em circuntâncias diferentes (+ próximo) não perderia por nada...
Parabéns ao Poronga. Já vi esses meninos em cena aqui em Rio Branco e foi um arraso.
Mariana disse…
Chico foi o grande nome conhecido pelo mundo inteiro pela defesa do negócio chamado natureza.
Lembrar dele é o mínimo que nós, mortais nem sempre úteis, fazemos na nossa existência plurinatural.
Mariana disse…
Oiii,
Tem um grupo d teatro em Xapuri com 10 anos? isso é muito mesmo!
Sei que vão postar alguma coisa (estou ansiosíssima!)

Bjin
Marcelo disse…
Boa noite!

sou de São Paulo e estava visitando o google e acabei chegando a vocês. Parabéns pela idéia é muito boa.
Me deparo com Chico Mendes, tão famoso no Brasil e no mundo. Muito interessante.
Aí fico sabendo, pelos comentários que tem um grupo na cidade que aniversariou, não é isso mesmo?! Puxa vida. 10 anos é muita coisa. Quero parabenizar o Grupo de Teatro Poronga (o que significa mesmo poronga???). Eu faço teatro há 35 anos e sei como é muiito difícil. Todo mundo que começou comigo deixou de fazer e já fiz parte de vários grupos e cias. A maioria se extingue bem antes dos 5 anos. Parabéns aos atores persistentes de Xapuri.
> Marcelo Zatiny

Postagens mais visitadas deste blog

Dia Internacional da Animação 2015